Produtos ecológicos, sim nós temos!

Pequenas atitudes sustentáveis podem fazer uma enorme diferença para o meio ambiente e para a qualidade de vida dos “consumidores verdes”.

Uma nova geração de consumidores está surgindo, preocupados com os danos ambientais causados pelos modos de produção dos alimentos e produtos consumidos no dia-a-dia, estes consumidores ecológicos estão movimentando a economia e motivando as indústrias a entrarem no “mercado verde”.

Uma pesquisa realizada entre 2020 e 2021 indica que os consumidores do Brasil, Estados Unidos, França, China e Alemanha estão mudando seus hábitos de consumo optando por produtos verdes, alterando o comportamento dos fabricantes de produtos alimentícios e comerciantes, que estão levando em conta a questão do impacto ambiental na hora de escolher as embalagens dos produtos.

O que são Produtos Verdes?

São aqueles produtos que utilizam recursos renováveis na cadeia produtiva, que dispensam o uso de matéria-prima tóxica, para diminuir ao máximo o impacto ambiental gerado pelo consumo destes. Que reutilizam ou reciclam materiais em sua produção. Que usam os recursos locais, evitando as longas distâncias no transporte, reduzindo as emissões de gases de efeito estufa. Que demoram menos tempo para se decompor na natureza. Que geram emprego e renda para a população local.

Estas são as características principais dos produtos sustentáveis que agregam a proteção do meio ambiente com a promoção social e a rentabilidade econômica.

Ser um consumidor consciente está ao alcance de todos, os produtos sustentáveis estão presentes na maioria dos supermercados, com selos que identificam a procedência dos mesmos.

De acordo com dados do Ministério do Meio Ambiente, o plástico leva mais de 400 anos para se decompor, mas é preciso ampliar informações sobre o assunto:

1. Tempo de decomposição do plástico

2. Impactos do plástico no meio ambiente

3. Falta informação sobre o tempo de decomposição do plástico

Tempo de decomposição do plástico

Um dos focos de estudo da Química está no estabelecimento de relações entre a constituição e as propriedades dos materiais, seu uso em produtos e os impactos associados aos processos de transformação e circulação no ambiente. Ao trabalhar com a relação entre materiais constituintes de produtos e o impacto ambiental causado pelo seu descarte, é muito comum nos depararmos com tabelas que apresentam uma lista de materiais e o tempo necessário para a decomposição de cada um na natureza.

Segundo dados do Ministério do Meio Ambiente, resíduos de plástico levam mais de 400 anos para se decompor. No entanto, não há informações concretas a respeito do tempo de decomposição de cada tipo de plástico. Por isso, existem estudos que estimam o tempo de decomposição de diferentes materiais plásticos, tais como:

Saco plástico: 20 anos;

Copo de espuma plástica: 50 anos;

Canudo: 200 anos;

Garrafa plástica: 450 anos;

Fralda descartável: 450 anos;

Linha de pescar: 600 anos;

A principal razão para o tempo de decomposição do plástico ser tão longo é que a natureza ainda não sabe como se livrar dele. Bactérias e fungos que decompõem os materiais não tiveram tempo de desenvolver enzimas para degradar a substância, afirma a engenheira química Marilda Keico Taciro, do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).
Cada uma das moléculas de um item plástico possui centenas de milhares de átomos, principalmente carbono e hidrogênio. Como as ligações entre os átomos são muito estáveis, os decompositores não conseguem quebrar o material em partes menores para destruí-lo.

Impactos do plástico no meio ambiente

As enormes quantidades de plástico produzidas no mundo, a dependência da população em relação a esse material, seu alto tempo de decomposição e a incapacidade de lidar suficiente e ecologicamente com esses materiais têm alarmado organismos internacionais, ONGs, ativistas, membros da sociedade civil e governos.

Os plásticos podem atrapalhar a vida de animais marinhos de diferentes formas, seja por meio do entrelaçamento com objetos, seja a partir da ingestão desses materiais. Ou ainda pela própria interação com o plástico, que colide com espécies marinhas, gerando escoriações ou obstruindo a passagem.

No caso dos microplásticos, o maior problema está na ingestão pelos organismos marinhos. Como ainda há poucos estudos sobre esse tema, fala-se em “efeitos potenciais”, que podem ir do nível celular até ecossistemas inteiros. Alguns estudos encontraram evidências de que a ingestão de microplásticos pode afetar a caça e a captura de presas, pois o material pode ser confundido com alimento, ocupar espaço no sistema digestivo do animal e levar à diminuição de sinais de fome. Dessa maneira, o animal pode ter queda de energia, ter o crescimento inibido e sofrer impactos na fertilidade, além da possibilidade de morte.

Além de poluir e contaminar o solo, quando descartado de forma incorreta, o lixo plástico pode causar entupimentos de valas e bueiros, que agravam enchentes e desabrigam pessoas, principalmente em regiões periféricas. A poluição visual também é outro malefício causado pelos resíduos plásticos.

ATITUDE

Atualmente, a poluição por plásticos é uma das questões ambientais mais visíveis e complexas. As partes interessadas e preocupadas incluem pesquisadores, agências governamentais, organizações não governamentais, indústria, mídia e o público em geral. Uma das principais premissas por trás da questão e dos protestos do público é que os plásticos duram indefinidamente no ambiente, resultando na exposição crônica que prejudica animais e seres humanos. Mas os dados que sustentam essa suposição são escassos.

Um entendimento preciso da persistência de produtos plásticos no ambiente é fundamental para compreender melhor a questão. Os consumidores precisam de informações confiáveis ​​sobre o tempo de decomposição do plástico para fazer escolhas informadas. Os pesquisadores precisam dessas informações porque a persistência é um fator-chave nos modelos que prevêem quanto lixo plástico há no ambiente e onde ele reside, bem como os riscos associados a essa poluição. Já os legisladores precisam dessas informações para desenvolver políticas baseadas em evidências que proíbem o uso de plásticos nos níveis local, nacional e internacional.

Os cientistas Collin Ward e Christopher Reddy analisaram 57 infográficos diferentes publicados por agências governamentais, organizações sem fins lucrativos, instituições acadêmicas e outros grupos de 13 países e em quatro idiomas. “Quando procuramos e checamos cada um desses valores relacionados a quanto tempo um pedaço de plástico leva para se decompor no meio ambiente, não conseguimos encontrar uma fonte aceitável ou com credibilidade que suportasse esses gráficos”, diz Reddy.

Os cientistas começaram a investigação como resultado de seu próprio trabalho de laboratório – Ward e Reddy são químicos que estudam o tempo de decomposição do plástico no ambiente. É uma questão importante, diz Reddy, porque evidências emergentes indicam que diferentes tipos de plástico podem se decompor muito mais rápido ou mais devagar sob diferentes condições ambientais – se estiverem expostos à luz solar ou na escuridão, por exemplo, ou expostos a certos tipos de bactérias.

A falta de dados intrigou os cientistas, por isso eles fizeram uma pesquisa bibliográfica, recrutaram a ajuda de um bibliotecário de pesquisa e procuraram diretores de programas da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) para rastrear a ciência por trás dos números. Eles não encontraram nenhum dado confiável.

Law e Reddy enfatizam que a falta de dados não é uma licença para poluir, já que cientistas encontraram plástico no oceano com décadas de idade, então sabe-se que ele pode durar muito tempo. Os seres humanos despejam de 4,8 a 12,7 milhões de toneladas métricas de plástico no oceano a cada ano, e os cientistas têm levantado preocupações sobre os efeitos dos microplásticos sobre a saúde no mar e no ar.

Alternativas

A disposição correta do lixo é fundamental para que materiais recicláveis não permaneçam no ambiente causando danos às espécies. Portanto, é primordial termos consciência ecológica e repensarmos nossos hábitos de consumo. O tempo de decomposição de cada material deve influenciar em nossas decisões de compra e na destinação que damos aos produtos.

O Princípio dos 3R’s – reduzir, reutilizar e reciclar apresenta-se como uma solução viável aos problemas relacionados com o lixo. Trata-se de uma proposta sobre hábitos de consumo, popularizada pela organização ambientalista Greenpeace, que visa desenvolver ações mais sustentáveis. Além disso, as embalagens biodegradáveis têm sido apontadas como uma outra saída para os impactos ambientais causados pelo lixo, já que elas podem se decompor em semanas ou meses.

Vale ressaltar que os impactos causados pelo plástico à saúde e ao meio ambiente são comprovados cientificamente. Isso significa que, independente da falta de dados a respeito do tempo de decomposição do plástico, é importante que ocorra uma diminuição no consumo de produtos feitos desse material.

Respeitando a natureza nós do GRUPO MUNDIAL TELECOM oferecemos um produto Ecologicamente correto: PLAQUETA PERSONALIZADA ECOLÓGICAMENTE CORRETA DE PLÁSTICO RECICLADO.

Plaqueta Ecológica Personalizada 90x40x2 mm – apenas R$ 0,45
Plaqueta Ecológica Personalizada 90x40x3 mm – apenas R$ 0,49

Gostou do conteúdo? Compartilhe em suas redes!

Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp

Faça uma cotação direto com a Fábrica!

Nosso parque fabril conta com infraestrutura moderna e equipe altamente capacitada. Possuímos investimentos robustos na fabricação e evolução dos produtos buscando propor as melhores soluções para o seu negócio.